De relevo levemente acidentado, principalmente no lado de Niterói o bairro tem São Gonçalo como limite ao norte, onde continua com o mesmo nome, além de limitar-se com Várzea das Moças, Engenho do Mato, Jacaré e Muriqui.

Com a origem do nome perdida na memória dos moradores, o bairro do Rio do Ouro, como toda região até meados deste século, era parte das grandes fazendas que predominavam na área. Estas fazendas não apresentavam uma produção agrícola significativa, atendendo basicamente ao consumo local, com um pequeno excedente que era comercializado em outros locais. Como principais produtos tínhamos as frutas cítricas (principalmente laranja), legumes e hortaliças (tomate, jiló, vagem, repolho, mandioca etc.) contando ainda com a presença de engenhos movidos pela tração animal ou pela força da água.

Com a diminuição das atividades agrícolas, não só na região mas em todo o Estado, por volta dos anos 50, as fazendas começaram a ser parceladas, sem nenhum padrão estabelecido, mas de acordo com a solicitação dos compradores e também pela atuação de posseiros, grileiros e outros. Em conseqüência, temos lotes de vários tamanhos e sítios com áreas variadas.

No lado de São Gonçalo, existiu até a década de 60, uma estação ferroviária do ramal da Leopoldina que se estendia até Campos. Era utilizada para escoamento do excedente da produção para outros locais do município de Niterói e do café vindo da fazenda de Várzea das Moças. Localizava-se onde hoje funciona uma garagem de ônibus.

A ligação entre o Rio do Ouro e o trevo de Maria Paula, na época já um entroncamento importante com algumas casas comerciais, dava-se pela estrada Velha de Maricá, onde existia um trecho, no limite com Muriqui (oeste), que, pelo seu relevo e vegetação era de difícil passagem, exigindo “paciência” dos usuários. Daí, segundo os moradores vem o nome do local: Paciência.

Segundo dados do Censo Demográfico do IBGE de 1991, a população residente no bairro de Rio do Ouro representa 0,73% da população do município de Niterói.

CARACTERÍSTICAS URBANAS E TENDÊNCIAS:
A construção da estrada Amaral Peixoto (RJ.106) na década de 50 deu um grande impulso à ocupação do bairro. Por ser uma área mais plana, o desenvolvimento da região iniciou-se no lado de São Gonçalo. Na parte niteroiense, podemos destacar duas áreas com alguma densidade populacional e construções em alvenaria:

– Ao longo da estrada Velha de Maricá, de Paciência até o entroncamento com a estrada Amaral Peixoto e em torno deste;
– Nos limites com Várzea das Moças, área identificada pelos moradores, e por quem conhece o local, como pertencente a este bairro, cujo comércio e serviços aí existentes, atendem aos moradores dos dois bairros indistintamente.
No interior do bairro temos pequenos e grandes sítios, cujos proprietários, de um modo geral, não são moradores nem os exploram comercialmente, mas sim os utilizam para lazer, com uma pequena produção para consumo familiar.
O comércio é dinâmico (mercado, farmácia, açougue, padaria

Leave a Reply